Vida de Mamãe

Disciplina Positiva: 6 dicas de como praticar

Educar não é uma tarefa fácil. Na correria do dia a dia, eu diversas vezes perco a paciência. Quem tem ou vai ter filhos já sabe que a paciência é umas das peças chave para o equilíbrio. Que bom seria se os filhos viessem com manual de instrução, mas cada um vem com uma personalidade.

Nos desesperamos quase sempre. Mas uma coisa é certa: criança quer ser amada, compreendida, ouvida e ter limites estabelecidos. 

Uma criança com limites estabelecidos, se sente segura. Ouvimos sempre os especialistas dizerem que as crianças precisam ter rotina, seja para comer ou para dormir. Criança sem rotina fica perdida, insegura e dá trabalho. E é verdade! A mesma coisa aplica-se aos limites. E como dar limites sem disciplinar de maneira agressiva tanto com violência verbal ou física? Com paciência e muito amor.

Tenho um filho de quase 7 anos e um bebê de quase 10 meses. É uma baita diferença! Aqui em casa procuramos ouvir o mais velho, usamos muito a conversa, mas por diversas vezes fui criticada por conversar demais.

Nossa experiência com a disciplina positiva

Luiz Eduardo e Rafael Baldin
Luiz Eduardo e Rafael Baldin

Somos duros quando precisa, mas eu já pensei em algumas situações: “como estou mole”. Porém me lembro que na minha infância, apesar de boa, fui pouco ouvida. O negócio era mais do tipo” escreveu não leu o pau comeu”. Entretanto, hoje nós temos bastante informações ao nosso dispor e isso faz bastante diferença. 

Meu pai em especial sempre foi muito duro comigo. Sou uma pessoa bem resolvida e sem traumas, mas acredito que algumas coisas não temos necessidade replicar com nossos filhos. E como fazer diferente?!

Você já ouviu falar sobre a disciplina positiva? 

A disciplina positiva tem como objetivo ajudar a criar os filhos sem palmadas, sem castigos, mas com disciplina e empatia.

Isso não quer dizer que você não irá falar não para seu filho. É óbvio que eles precisam ouvir o não. Além do mais,  o que mais ouvimos na vida é NÃO, e acredito que se desde cedo você orientar, explicar que não é possível sempre ter tudo o que querem (por mais que você tenha condições em dar).

Uma coisa que gosto muito é de ir em loja de brinquedos, aliás sempre gostei antes mesmo de ter filhos. Não preciso comprar nada, mas amo olhar, ver as novidades. Mas agora é um pouco delicado fazer esse passeio, pois na maioria das vezes o meu mais velho não pede nada, mas em outras vem aquele ‘Oh mãe!!’. E por mais que meu coração queira atender à vontade dele, eu tenho que falar não, e com muito amor explico o porquê.

Pensando de maneira prática quanto a disciplina positiva, acredito que ser exemplo irá te ajudar uns 70 a 80%, porque também existe a personalidade da criança. Elas são como esponjas e absorvem tudo, tanto o certo quanto o errado.

Você já foi tentado ou até já passou um farol vermelho?! Ops pensei que estava amarelo, e achou que ninguém estava te observando. Aí vem um: “Mãe, você passou o farol vermelho!”. Você pensa: “Que droga”, não deveríamos fazer isso pois somos o exemplo, e não queremos que eles façam algo que não seja o certo.

Estabelecendo regras

Uma coisa importante é estabelecer as regras, o famoso o que pode e o que não pode. Um exemplo é quando você vai na casa de uma pessoa, ou num lugar que a criança não tem costume de frequentar. É válido fazer o combinado: obedeça, não suba no lugar x, quando quiser minha atenção coloque a mão no ombro (ou um sinal) para que ela seja ouvida, não grite, etc. 

Além dela saber que existem regras, ela sabe que se caso descumpra perderá algo, que também já foi combinado previamente.

Meu filho é muito tranquilo, mas tem muita energia. Dificilmente me gera algum estresse, porém quando ele está cansado e com sono, ele fica estressado, parece outra criança. Dependendo da situação, chamamos a atenção dele para que ele pense antes de agir. Conversamos, dizendo que entendemos que está cansado, mas que a forma que está agindo não condiz e não cabe a situação. Isso é um exemplo de dar limite e repreender as ações. A repreensão faz a criança pensar no que fez.

Outro exemplo é quando não quer fazer algo sozinho ou quer ajuda para arrumar os brinquedos ou para fazer a lição, ele diz que não consegue fazer as coisas.

Mas já sabemos que ele consegue, então quando faz, nós enfatizamos “olha que legal que você conseguiu”,” parabéns”, ou “você é meu melhor ajudante”, frases e palavras que dão segurança e enfatizam o que ele faz de bom e positivo. Ele me ajuda muito com o mais novo, seja entretendo ou somente olhando ele por alguns minutos. Eu sempre digo que ele é um ótimo irmão que o mais novo terá muito o que aprender com ele.

Outra coisa que sempre fazemos é conversarmos bastante. Meu filho fala pouco, então temos que ficar perguntando para que ele solte.

Então aqui vai um resuminho:

  1. Ser exemplo
  2. Estabeleça regras
  3. Chame a atenção / Repreenda.
  4. Ajude seu filho a pensar. Estimule seu filho a pensar sobre as próprias atitudes, sobre as situações cotidianas e outras questões que o façam refletir.
  5. Enfatize o lado positivo.
  6. Dialogue sempre.

Estas são apenas 6 maneiras que utilizo no meu dia a dia com meus pequenos, mas existem muitas outras.

Fácil não é, exige muita paciência, domínio próprio de nós pais. Vamos errar? muitas vezes, o importante é reconhecer e mudar a atitude e evoluir.

E você, o que faz para praticar a disciplina positiva com seus filhos? Comente aqui!

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.